segunda-feira, 28 de junho de 2010

Sonho do Mercado

Esse sonho aconteceu num cochilo de domingo à tarde.
Não faz muito sentido e eu acabei esquecendo um monte de detalhes, mas, como diz o outro, o mundo do sonhos é uma empresa de aluguel de decorações e salão para festas. (Hm, taca no Google.)

O começo do sonho, ou a primeira parte que eu me lembro, pelo menos, aconteceu supostamente em Santo André. Eu tava saindo da casa do K-2 e por algum motivo não tinha carona pra voltar pra casa, logo eu tinha que pegar o ônibus. O problema é que a gente simplesmente não sabia onde era o ponto de ônibus que vinha pra minha cidade. Felizmente, depois de virar a primeira esquina eu encontrei o Erickson, a Débora (galera da minha sala) e a Leka (cujo paradeiro eu não sei mas mora em São Caetano também, welly welly).
"Erickson, cês tão inu pra Sancaetano?" (haha, eu falo assim, é engraçado quando eu paro pra pensar)
"Tamo cara. O busão jajá passa."

Hm, isso foi um alívio. Afinal agora já sei como voltar pra casa. Whee.
Estando aliviado assim, me deitei no chão do ponto de ônibus, que por algum motivo era tipo assim uma escada. Apoiei minha perna direita num telescópio que veio não sei de onde e comecei a tirar chocolate de dentro da minha camisa (precisamente, eram pedaços de ovo de páscoa). Ofereci mas ninguém aceitou também peludo pra cacete e assim continuei relaxando; até que apareceram uns PUs que, deduzi, deviam ser da turma da Leka, mas até aí nada de mais, só caçoaram do jeito que eu estava, naturalmente. (Só pra constar, PUs são EM SUA MAIORIA - não todos - do lado vermelho do gráfico)
Mas eu ofereci chocolate pra eles também, e, por algum motivo, alguns aceitaram, especialmente um com cabelo descolorido e espetado e óculos escuros, que comeu mesmo sabendo de onde veio (esse não tinha tanta frescura aparentemente).

Eis que, por algum motivo, tudo isso não fazia a menor importância.
Uma fada fora raptada, e levada em direção ao norte (quer dizer, digamos que seja o norte, era PRA LÁ) e eu me senti na obrigação de ajudar ela. O K-2 já tinha voltado pra casa e eu não queria incomodar mais ninguém, então fui sozinho. Voando. É, não sei como, mas eu estava usando meus goggles de natação. Os mais incômodos, por acaso.

Voei e cheguei a um supermercado. Não era mais tarde da noite como era no ponto de ônibus mas sim, um local agitado e cheio, uma merda, e muita bagunça tipo os produtos sendo atirados no chão etc e o pessoal do mercado não conseguia manter o controle.

Pois bem, nessa hora, era eu e mais um companheiro, cujo rosto eu não me lembro (mas por dedução era o Capelo, devido o final do sonho, que você não vai ver agora porque é spoiler).

Nós tínhamos que encontar a tal fada. E a única pista que nós tínhamos era que ela tava no mercado, no meio desse lufa-lufa todo.
Bom, tentamos. Nos dividimos, cada um cobre uma área, etc. O movimento do mercado era tão ultimo-dia-de-evento-de-anime-grande que a gente tinha que literalmente andar por cima das prateleiras e estantes pra chegar a algum lugar com eficiência. Numa dessas eu encontrei um tempero amarelo, em pó, açafrão ou páprica, não me lembro; vinha em pacotes assim grandes, unidos por picotes, bem que nem um Sazón só que maiores. Por algum motivo achei que isso era uma pista/seria útil mais tarde/ficaria bom no miojo, porque eu resolvi guardar pra mim.

Caindo numa espécie de estande de alfaces, tinha um guri ali imitando o comercial de alfaces. E logo que ele terminou, eu vi que ele ERA O COMERCIAL DE ALFACES, dentro de uma TV e tudo, com aquelas luzinhas que nem na fase do E. Honda e arco-íris piscapiscando na tentativa de fazer as crianças comerem mais da hortaliça. Eu teria medo desse comercial, na real, mas isso é só um detalhe que eu realmente acho que não tem nada a ver com o resto do sonho. Mas ainda é interessante. Ou não.

Após essa cena e mais um pouco de busca, encontrei o Capelo de novo e ele disse que uma das maiores pistas que ele tinha achado era uma pegada feita num monte de nhoque no chão.
Claro que de alguma maneira isso nos levou a encontrar a fada. Lembra dela? a fada. Achamos ela, whee, acabou, certocerto? ERRADO, RÁ

A fada nos explicou que ela tinha sido raptada por um monstro de mil olhos ou uma porcaria dessas e nós tínhamos que derrotá-lo pro pior não rolar etc etc etc, então tá, né.

A fada nos levou até um corredor escuro e oculto do mercado; a única luz que nós tínhamos era a própria luz da fada, que emanava como uma chama fraca (digamos que era uma "fada do fogo") e antes de terminarmos o corredor a fera nos encontrou.

E era grande, tipo lembra quando o Hércules enfrentou a Hidra? Então, não tão grande.
Enfim, e nós lutamos contra o monstro blábláblá eramos fracos e ele forte e pra piorar ele soltava varios "juniores" que brotavam dos olhos dele, como se fossem um dos próprios olhos, o que dificultava tudo.

Então eu tive a brilhante idéia de tacar o tempero no monstro e nos juniores. E deu certo porque ardeu nos olhos deles. Então o monstro e os filhotes morreram, derretendo. Eeee.

Nisso aparece o K-2 em uma espécie de alçapão no teto do mercado e diz:
"VOCÊ TENTARAM MUDAR PRA W DE WOOMBOO?"

Ahn?
Então de alguma forma o K-2 ressucitou o monstro só pra mostrar que conseguia matar ele de rir.
LITERALMENTE.
Ele usou um tempero também mas fez a fera rir até morrer. Bom, malfeito-feito.
Só que dessa vez em vez de derreter o monstro explodiu. EM NHOQUE. Voou nhoque pra todo o mercado, que a essa altura estava vazio a não ser pela gente (claro, quando tem um monstro no mercado você evacua ele duuuh mas isso é um sonho então não tem muita importância).

Sentindo uma pontada de culpa pela tremenda sujeira que o mercado estava, perguntei:
"O que a gente faz agora?"

O K-2 me respondeu como quem sabe de tudo:
"A mesma coisa que nós fizemos no dia 22 do norte." (???)

Foi até atrás de mim, e pegando um bocado de nhoque que estava grudado na parede, jogou ele em mim. E o Capelo pegou nhoque do chão e jogou no K-2. E estava declarada uma guerra de nhoque. Só eu não conseguia guerrear porque por alguma razão eu estava sentado no chão, sem forças, de tanto rir. Aparentemente, havia uma ligação entre o dia 22 do norte e tudo isso que tinha acoontecido. E eu achava graça. E tinha nhoque até na orelha. E então eu acordei, e claro que ri de mim mesmo.

Adoro esses sonhos, fick.

domingo, 27 de junho de 2010

Costurar é legal,


...principalmente quando você não tem idéia do que está fazendo.
E no fim das contas, fica feio mas parece que deu certo :D

quinta-feira, 24 de junho de 2010

Meme - Eu já Fiz

Peguei emprestado da Ana Terra.
Os parênteses são observaçõs pessoais :)

Só riscar os itens que você já fez, ok?

Beijou alguém (Eu não, loser haha)
Fumou cigarros (Passivamente não é fumar)
Ficou tão bêbado que apagou (Coca não vale)
Foi em todos os brinquedos em um parque de diversões
Colecionou algo bem idiota (coleciono chaveiros)
Foi num show de rock (Ainda quero ir no Iron Maiden, e só)
Ajudou alguém
Pescou (Pior que já)
Discotecou
Assistiu quatro filmes numa noite (Eu sempre durmo no terceiro)
Passou muito tempo sem dormir (Não passo das onze)
Mentiu para alguém
Terminaram um namoro com você
Cheirou cocaína
Matou aula (Até eu rs)
Fumou maconha
Fez algum curso universitário
Esteve num acidente de carro
Esteve num tornado
Usou drogas pesadas
Viu alguém morrer
Esteve num funeral
Se queimou (Orra, direto)
Correu numa maratona
Teve os pais divorciados
Chorou até dormir
Gastou mais de $200 num único dia (NINTENDO DÊ ESSE)
Voou num avião (Formatura da 8ª série)
Paquerou alguém
Foi paquerado
Escreveu uma carta de dez páginas
Esquiou
Velejou
Se cortou (sem falar que foi ridículo)
Teve um melhor amigo (na dúvida eu tenho dois)
Perdeu alguém que amava (Perdi)
Roubou algo de uma loja (Era uma bala do pote de balas de graça, mas roubei sim)
Esteve na prisão (Passo perto de uma tododia, mas nunca entrei)
Foi suspenso
Teve problemas por algo que não fez (leia-se lição de casa)
Roubou livros de uma livraria
Foi para um outro país
Abandonou a escola
Esteve num sanatório
Assistiu algum filme do Harry Potter (O Prisioneiro de Azkaban 12 vezes o3o)
Teve um diário online (Se o QWoL não vale tem o Journal do dA)
Atirou (NERF)
Jogou num cassino
Teve uma venda de quintal
Teve uma barraquinha de limonada
Participou de uma peça de escola (Oberon, Rei das Fadas riariaria)
Foi despedido (eventualmente)
Passou por um detector de mentiras
Nadou com golfinhos
Votou no BBB/Casa dos Artistas (Cada minuto vendo RealityShow diminui um ponto de QI)
Escreveu poesia (Na verdade elas se escrevem sozinhas - quando eu ponho o dedo eu estrago)
Leu mais de vinte livros num ano
Foi pra Europa
Amou alguém que você não podia ter
Ficou confuso sobre sua sexualidade
Usou um livro de colorir depois dos 12 anos (sou péssimo colorista)
Fez uma cirurgia (Conhece o Tales?)
Levou pontos
Pegou um taxi
Viu algum monumento de Washington
Teve mais de cinco conversas instantâneas (MSN) ao mesmo tempo (Ah, faz teeeempo)
Teve uma overdose (cafeína+adrenalina+serotonina)
Teve algum problema com álcool ou drogas
Participou de uma luta
Sofreu qualquer forma de abuso (às vezes me pedem demais)
Teve um hamster
Teve um animal selvagem como animal de estimação (só o Yurizinho)
Usou um cartão de crédito
Surfou na Califórnia
Pintou o cabelo (Highlights)
Fez uma tatuagem (só aquelas de chiclete)
Fez algum piercing
Tirou só notas 10 (mentira, um novemeio pra quebrar o combo. Isso foi na 6ª série)
Já esteve entre os melhores alunos da escola
Seus pais já te mandaram para um psicólogo (mamãe já deu idéia...)
Já foi algemado
Conheceu alguém com HIV ou AIDS
Tirou fotos com uma webcam (antes de destroça-la num raro acesso de raiva)
Colocou fogo em algo
Deu uma festa quando seus pais não estavam em casa
Foi pego dando uma festa enquanto eles não estavam
Fez enquetes como essa só para passar o tempo
Fez amigos pela internet e os conheceu ao vivo (Foi rapidinho ^^')
Prendeu a respiração num túnel até o final para poder fazer um pedido
Segurou seus pés andando sobre trilhos para fazer um pedido
Planejou a vida inteira num sonho acordado
Teve um experiência extracorpórea (Alguns sonhos eu diria que são sim)

Buscas Aleatórias na Wikipédia

Falta do que fazer no trabalho (e às vezes mesmo tendo coisa pra fazer, não interessa) resultam em longas navegações pela Wikipédia, procurando alguma cousa ou simplesmente procurando porcaria nenhuma - o que me leva a ficar apertando veementemente o link de "página aleatória" por vezes seguidas até encontrar um artigo interessante - ou que meu eu-lírico sugira.

Fazendo o ritual repetidos dias, observei que as páginas aleatórias despontam em artigos interessantes EM MUITO POUCAS VEZES, e na maioria delas você vai cair em artigos mínimos e/ou completamente desinteressantes, por exemplo:

- O perfil do asteróide 2958 Arpetito

- Participação da Guiné nos Jogos Olímpicos do Verão de 1968 (ou dado equivalente para outro país ou evento)

- Uma página sobre uma comuna francesa ou italiana (ou qualquer outro município/estado/província desinteressante)

- Uma espécie extremamente comum de formiga que por algum motivo não tem nem foto na página

- Um esportista completamente desconhecido dos Países Baixos

- Um veterinário alemão que descobriu qualquer coisa

- Uma doença que você nunca tinha ouvido falar

E é bem por aí... tipo 60% dos cliques que você der em "página aleatória" cai numa dessas.
E o legal é que enquanto eu fiquei clicando em "página aleatória" pra cair em uma página aleatória pra linkar eu passei por umas três comunas francesas riariaria



quarta-feira, 23 de junho de 2010

Coletânea de sub-pensamentos nº 04

  1. Vontade de comer ovo. Acho que vou fazer miojo
  2. Se você está lendo um mangá, presume-se que você sabe ler;
  3. Onde merda é Anhanguera?
  4. Paralisia infantil é crime!? (devo ter submisturado com trabalho infantil)
  5. Naquela época, os churrascos eram feitos com carne. (pensando sobre churrasco vegetariano ou algo do tipo)
  6. Ólia rs eles colocam mel nisso aqui. (Lendo o rótulo da embalagem de pão-de-mel)
  7. Umbigo Coletivo
  8. Agora estamos deixando o Maravilhoso Mundo do Ar Condicionado (ao sair do banco num dia quente)

Chá Gelado

Eu tinha pensado numa complexa teoria sociochata pra postar, mas como eu me esqueci completamente dos termos que eu ia utilizar na mesma eu vou protelar a tal por tempo indeterminado ou até que apareça uma possível reformulação.

Em vez disso vou fazer UM MERSHÄN!

Chá gelado é o Vlog do Capelo e do K-2 e

É, é isso, é bem legal rs dá uma olhada:





Ainda bem que eu tô mershandando porque aparentemente nem eles lembraram de fazê-lo. Quer dizer, olha, eu vou aparecer também e eu nem sabia rs ok então.

Visitem também o canal.

sexta-feira, 18 de junho de 2010

Simba e Mufasa

Simba, vai comprar pão e leite, moleque!

Hm, eu tava rassudocando nessa cena d'O Rei Leão. Saca, a cena em que o fantasma do Mufasa troca uma idéia com o recém-saído-da-puberdade Simba sobre... hm... nem lembro o que ele fala, mas enfim, eu comecei a pensar que essa cena é alvo de muitas críticas de pastores e afins, então comecei a pensar e pensar e não lembro exatamente o que eu pensei mas cheguei à conclusão de que a suposta aparição poderia ter três diferentes origens:

01. Espiritismo
Bom, essa seria a origem da qual os bem-aventurados mirariam suas farpas.
Espiritismo, satanismo, sei lá o que, mas no fim das contas seria simplesmente um fantasmão aparecendo pra dar umas patadas no filhote. E só. Acabou.

02. Alucinação
Convenhamos o seguinte fato: Simba é um leão (e caso você não tenha percebido isso você deve ter comido muito giz de cera quando era criança) - EEEE fugiu de casa enquanto era criança, foi criado por um javali e um suricate comedores de insetos.
Ok, alguma coisa errada aí?
Sim, os insetos.
Leões comem antílopes, Simba, por que diabos você me passou sua puberdade inteira comendo INSETOS?
Ou seja, no final das contas, o cérebro do rapaz talvez estivesse meio 'subdesenvolvido devido dieta anormal para a espécie' e ele deu pau naquela hora lá. Some-se isso à crença de Simba de que os reis do passado viram estrelas (como seu pai ensinou, claro) e que é bem comum as crenças interferirem em alucinações e experiências-de-quase-morte e coisas do tipo.
Fora que aquele macaco apareceu antes do ocorrido pra dar umas dicas pro leão púbere - ou talvez algo mais do que dicas, se é que você me entende.

03. Metáfora
Talvez não tenha aparecido porcaria nenhuma de fantasma, a dieta de besouros teve proteína suficiente pro cérebro do leão e o macaco não usava drogas (... tá bom, digamos que o macaco NÃO DEU DROGAS pro Simba, porque ele usava sim) - e tudo o que aconteceu explica-se basicamente com o fato de a tal visão ser uma droga duma metáfora.
Simba olhou pra dentro de si e imaginou o que o pai faria; daí os animadores acharam que ia ficar legal botando isso no céu, porque você 'fisicalizar' uma metáfora é muito mais legal e lucrativo do que desenhar um leão bobo falando sozinho.

Conclusão
Cuidado com macacos alucinados e mamíferos africanos insetívoros.
Eu avisei.

quinta-feira, 17 de junho de 2010

Calças

(Pensamentos matutinos again)

Eu tenho dinheiro.

Mas dinheiro não traz felicidade.

Calças trazem felicidade.

Mas calças são uma ilusão.

Logo, a felicidade é uma ilusão!? D=

("Calças são uma ilusão" foi cunhada originalmente por Bruno/K-2)

quarta-feira, 16 de junho de 2010

Que jogo?

Por X entenda qualquer uma das três pessoas que falaram comigo sobre isso.

X: Então, o que você achou do jogo de ontem?
Qjn: Nemvi, eu tava cochilando.
X: '-'

(Acho que é assim que os alienígenas se sentem)

terça-feira, 15 de junho de 2010

Poder de Luta

. . .

Qjn: VICTOR! Qual é o Poder de Luta da Seleção Brasileira?
Victor: . . . bom... depende de que anime estamos falando :D

. . .

He's gotta point.

domingo, 13 de junho de 2010

Disse Platão:

"Pessoas inteligentes falam de idéias;

Pessoas comuns falam de coisas;

Pessoas medíocres falam de outras pessoas.".

...

Quer dizer então que já existia PU na Grécia antiga? Rs.
(Agradecimentos ao Fernando que me contou esse pensamento)

sexta-feira, 11 de junho de 2010

Ramon Rāmen

Ramon Rāmen - ラモン•ラーメン

Miojo nomeado em homenagem aos Ramones e aos trocadilhos ruins.
Feito pela primeira vez numa falta-do-que-fazer-com-miojo com o Capelo aqui em casa.
So what?

Ingredientes:
- Um miojo de tomate (qualquer sabor serve na verdade mas eu recomendo o de tomate)
- Requeijão
- Batata palha
- Farinha ou farofa de mandioca
- Se tiver aquela farofa que vem com batata palha use ela e ignore os dois ingredientes acima.

Comofas/
Antes de tudo, faça o miojo conforme o fabricante manda (ou do seu jeito, tanto faz)
Depois, taque uma colher bem generosa de requeijão (ou duas nem tão generosas) e misture. Faça isso enquanto tá quente que o requeijão mistura melhor.
Depois adicione a farinha/farofa e por ultimo a batata palha (ou aquela farofa com batata blábláblá)
Misture bem e coma.
Eeeeee.

quinta-feira, 10 de junho de 2010

Geografia e Cheddar

Tava eu lá na minha escolacola resolvendo a atividade de Geografia sobre globalização, transnacionais e essa quel toda.
Resolvendo as questões em ordem aleatória, de modo que a última que eu teria que resolver era a questão de número um na realidade. Mas como diz o outro, os últimos serãos os primeiros.

Estava tentando me lembrar a diferença básica entre geopolítica e geoeconomia ou qualquer veshka do tipo que não tem muita importância no momento, e eis que minha rassudok foi acometida por um pensamento desastroso que foi a causa da minha queda.

O queijo cheddar.
Aquele queijo cheddar colocado nos lanches do Subway, com o pão tostado ao nível perfeito, eu pensei nisso de súbito.
E pensei mais.
E ainda mais uma vez.
Era um desejo insano por cheddar.
E desejei mais uma vez, e outra e outra...
De modo que, ao término do tempo para concluir a tarefa eu ainda estava a me lembrar de tal maravilha láctea.

E não terminei a questão em... em questão.

Ao menos tirei uma nota boa =D (3,5 de um total de 4,0)

~-~-~-~-~-~-~-~-~-~

- Capelo, eu não consegui terminar a lição porque eu fiquei pensando em queijo cheddar, comofas?
- Por isso que eu sempre peço o suíço.
- . . .

Sabe o que é pior? O que me fez pensar em cheddar foi a lembrança de uma vomitada laranja na calçada. Yikes.



terça-feira, 8 de junho de 2010

Problemas no Escritório

A maior coisa que eu aprendi trabalhando em um ano de escritório pode ser resumida na seguinte equação: escritório = problemas

Agora, a gente pega a equação e encontra o a, o b e o c para achar o delta e aplicar o bhaskara:
(as observações em itálico foram escritas pelo meu pai, rs)

Telefone
  1. Atender o telefone é sinônimo de abrir a porta para mais um problema. (A menos que seja um engano)
  2. Não atender o telefone também trás problemas (porque atrapalha o curso do serviço)
  3. Tirar o telefone do gancho pra não ter que atender (nem ter que ignorar) também é um problema, pois fazendo isso só se atrasa os problemas e deixa os clientes nervosos - o que é outro problema em si.
  4. Discar para alguém também é um problema, pois o destinatário da chamada lhe trará problemas que você não sabe resolver (mesmo que você realmente não precise responder/resolver tal problema)

Clientes

  1. Clientes são problemas, invariavelmente.
  2. São eles que trazem problemas pra você resolver
  3. Como se não fosse o bastante, tornam-se problemas eles mesmo porque ficam cobrando e enchendo.
  4. Um cliente satisfeito é um problema porque recomenda você para outros clientes, que por sua vez trarão mais problemas.
  5. Um cliente insatisfeito também é um problema pois vai queimar o seu filme. Filme queimado é um problema.
  6. Quando você acha que um cliente no balcão é o bastante, surgem outros três, cada um com seu problema. Ao terminar com o primeiro surge outro e depois outro, até que você atenda todos e se esqueça do que estava fazendo antes de começar o problema.
  7. Clientes só trazem problemas que você NÃO SABE RESOLVER quando a pessoa que sabe resolver não está.
  8. Clientes não acreditam que a pessoa que sabe resolver não está - nem que você não sabe resolver - e reclamam e cobram, gerando mais stress e problemas.
  9. Clientes não entendem que os funcionários em treinamento não sabem resolver todos os problemas.
  10. Pelo menos os clientes pagam pelos problemas. O que não indica que um problema tenha terminado.
  11. Clientes não se importam com a legislação ou com a resolução dos problemas. O importante é o funcionário ouvir atentamente a estória que eles contaram e concordam totalmente com o que eles dizem. - O que por sua vez é outro problema.

Dinheiro
  1. Dinheiro é a razão do trabalho, ou seja, dos problemas
  2. Receber um pagamento não é a solução de um problema: é parte da solução de um problema maior. O problema nesse problema é que as outras partes nunca chegam para resolver o problema, tornando o problema um problema pior.
  3. O cliente procura o seu seviço pensando em economia: o dinheiro trouxe um problema.
  4. Dinheiro nunca é suficiente, e quando é, é porque você esqueceu de pagar alguma coisa (o que mais tarde se torna um problema)
  5. Pagar alguma coisa nem sempre é sinônimo de solução de um problema. Às vezes significa parte de outro problema.
  6. Se voce receber pagamento antecipado, irá ser cobrado antes do prazo dado. Se você não pegar "dinheiro" antes da execução, terá que "fazer caixa" para concluir o mesmo e se demorar será questionado sobre sua competência.

Funcionários
  1. Funcionários supostamente servem para ajudar a resolver os problemas, mas em termos eles mesmo causam ou trazem problemas.
  2. Um funcionário que não tenha jogo de cintura é um problema pois não vai conseguir resolver o problema (ou enrolar o cliente)
  3. Um funcionário que tenha jogo de cintura também é um problema porque no fim das contas deixa os problemas na mão de quem resolva.
  4. Um funcionário que não saiba resolver determinado problema se torna um problema em si.
  5. Um funcionário que saiba resolver determinado problema estará ausente quando esse problema aparecer - o que causará problemas.
  6. O funcionário que saiba resolver todos os problemas e está sempre presente não existe.
  7. Funcionário "ponta esquerda" é aquele que fica longe e foge quando os problemas eclodem. Ao ser interpelado ele gera um novo problema ao dizer-: "Ninguem me chamou"...; "Não me pediram nada"...ou ao afirmar-: "voces me ignoram"...; "Nunca dão algum serviço importante para mim"...

Chefes
  1. Os chefes mandam no escritório, no dinheiro e nos funcionários, em suma, nos problemas.
  2. Os chefes distribuem a suposta resolução de problemas (o que é um problema pros funcionários)
  3. Por vezes os chefes tem que resolver problemas, o que gera mais problemas pois interrompe a solução de outros problemas, e aborrece os chefes, e um chefe aborrecido cria masi problemas.
  4. Chefes podem te demitir ou descontar seu salário, o que seria um graaande problema.
  5. Apesar de terem poder sobre o escritório, os chefes não garantem a solução dos problemas
  6. Ter mais de um chefe (sócios por exemplo) é problema...

Tempo
  1. Segundas-feiras atram problemas. Não, é sério.
  2. O tempo nunca é suficiente pra resolver todos os problemas.
  3. A falta de tempo é um problema.
  4. O excesso também pois significa que algo ficou para trás.
  5. Se houver excesso de tempo sem que um problema tenha sido deixado para trás o ritmo do serviço vai diminuir, o que posteriormente se torna um problema


segunda-feira, 7 de junho de 2010

Pensamentos Matutinos

Às vezes as pessoas vem me perguntar "mano, como é que você posta tanto?" e bom, eu não tenho nada pra responder porque na real os posts se escrevem sozinhos.

Hoje de manhã eu estava indo pra escola e comecei a pensar sozinho (bom, uma vantagem de NÃO ANDAR ouvindo música sempre, ao meu ver) e o raciocínio lógico (ou quase) foi basicamente esse abaixo.
Antes de ler: repare que eu penso como se estivesse falando com alguém. Sim, isso facilita muito na hora de escrever um blog e NÃO, não é uma coisa voluntária.

"Nossa, mas essa rua tá vazia. E essa também. Essa também não tem ninguém, poxa, eu acordo dez minutos mais cedo e de repente todo mundo resolve acordar dez minutos mais tarde? Cacilda, é como se essa cidade fosse um deserto. Tipo um deserto. Só que mais frio. Não que um deserto não possa ser frio, mas tá muito frio. Olha, fumacinha, rs. É tão legal quando você solta fumacinhas de frio, significa que está realmente frio. E se está frio, está tudo bem. Menos no período do meio-dia até lá pelas duas. Caramba, eu sei que é o período do sol alto e talz mas faz um contraste absurdo, tipo assim, abre o paint, abriu? Agora rabisca uma espiral, isso, enroladinha, assim, agora dá um control+I, e então, tá vendo? É isso! É um contraste do cacete, se você quer saber. Mas pelo menos lá pelas três ou quatro o frio volta. Quando já estamos desagasalhados, mas, poxa, como tem que ficar indo e vindo eu só posso andar por aí com essa blusa fininha. Que cheira a cigarro. Credo. Fazer o que, a outra também tá assim. Olha, a barra da minha calça. Tem o símbolo da prefeitura nela. Essa calça é contraditória, porque, olha só, por uma lado, essa calça é um presente da prefeitura, só que o símbolo da prefeitura fica na barra da calça, de modo que quando você anda, você chuta o símbolo, e isso fica como se você tivesse chutando a própria prefeitura, que te deu a calça de graça! É contraditório, fora que o símbolo tá na altura do seu tornozelo e ninguém quer uma prefeitura na altura do tornozelo. O que é mais uma vez contraditório, vendo que a prefeitura dessa cidade é deveras boa, visto que na verdade a cidade é uma pseudocidade que já foi um sítio e um baIrro, então é fácil de governar, ao menos mais do que uma capital e tal. Opa, o sinal tá pra mim."

Reparem, meus irmãos, que tudo isso foi pensado de um fôlego só, desde o momento em que eu saí de casa até ter que atravessar uma rua guiado por um semáforo (atravessei três ruas sem semáforo antes) e por isso eu não dividi em parágrafos. E também, que na verdade isso me inspirou a escrever TRÊS POST: um sobre a cidade desértica de manhã, outro sobre o frio e outro sobre o símbolo da prefeitura na barra da calça do uniforme. Mas preferi escrever tudo de uma vez só. Claro que eu me aprofundei bem menos em cada assunto, mas eu só queria mostrar uma das minhas linhas de pensamento. É, acho que é um dom. :)

Se esse fosse um blog normal eu diria: que saco, amanhã tem olimpíada de matemática.
Mas a única coisa que me interessa nessa olimpíada é saber quantas questões caem para saber quantas vezes eu posso escrever B A B A C A no gabarito.

sábado, 5 de junho de 2010

Velho

Fiz o bigode pela primeira vez com 12 anos.

Aos 15 já tinha cabelo no peito.

Aos 18 já to à caminho da calvície.

E não posso reclamar que tô ficando velho? D=

PS: Recorde de comentários devido ao saco do Homer. Eu mereço esses leitores, rsrs :D


sexta-feira, 4 de junho de 2010

Vlog-Não-Vlog

Vídeo auto-explicativo.

video

Faltou falar algumas coisas mas não tô a fim de explicar mais do que isso.

quinta-feira, 3 de junho de 2010

12-51

♪12:51 is the time my voice
Found the words I sought...
Is it this stage I want?

12-51 é uma música dos Strokes das minhas favoritas.
A história é basicamente um cara dando idéias numa guria, mas, pro diabo com isso porque não é o que interessa.

O que interessa é o feeling.
Não o da música em si (que por acaso é muito bom, dá uma olhada) com seu ritmo calmo e umas palmas sincronizadas que encaixam perfeitamente, mas um feeling em especial que a música me deu num dia desses.

Pra começar, eu comecei a escutar os Strokes no começo do ano passado, por influências capelísticas.
Eu não consigo explicar exatamente, mas foi uma época ótima. Por alguns motivos em especial, daqueles tempos pra lá meu humor e outras coisas do gênero têm caído vertiginosamente.
Mas, enfim. Daquela época pra lá eu estou no meu terceiro computador e esse é o ponto.

Em algum momento desse percurso, eu acabei enjoando da música, normal. Então apaguei ela do meu celular (que serve de tocador de música desde que eu queimei meu mp4) e fiquei sem ouvir ela por algum tempo, só esporádicamente. Eis que, meu computador quebrou.
Queimou a placa-mãe ou algo do tipo, de modos que o HD ainda estava intacto. Riteriteright?

Bom, arranjei outro computador de estepe até que eu pudesse comprar um de verdade. E, tentando instalar o HD do outro que estava intacto, queimei ele também, viva. Depois com um ninjutsu envolvendo fluído de esqueiro (não pergunte, eu não vi) do meu tio a gente conseguiu recuperar os dados.

Isso foi no mês passado, eu recuperei meus dados parados a meses. E essa música.

Essa música...

Depois de organizar a pasta "Minhas Músicas" aqui, eu resolvi executar a pasta dos Strokes para matar as saudades. Matei as saudades, ok, gravei novamente a 12-51 no meu celular pra ouvir mais tarde.

Sabe, quando eu escuto música no computador eu meio que fico distraído com o que eu estou fazendo no computador. Já quando eu escuto a música do meu celular eu me concentro melhor nela e assim acabo absorvendo melhor. Não é difícil de entender, claro :)

Bom, antes de dormir resolvi tocar baixinho a 12-51 do meu celular (só pra testar a playlist, tenho esse costume) e foi então que eu senti.

Eu senti exatamente como eu me sentia na época em que eu comecei a ouvir essa música.
Tipo um flash-back, assim, pá, voltou de repente tudo. Memórias, palavras, momentos... até um cheiro diferente eu senti, e sei que não era um cheiro de peido, era um cheiro dos tempos em que eu já fui mais feliz... mais bem humorado... mais eu mesmo.

Esse tempo.

"Segura o queixo se não cai meninë! RSRS"


Talvez eu possa dizer que foi a minha melhor época.

♪ Alright, I'm coming...
I'll be right there.

quarta-feira, 2 de junho de 2010

Um Lembrete pra Mim Mesmo

"Vocês escreveram mensagens de incentivo nessa pedra. Eu limpo ela todo dia para que a mensagem não seja perdida..."


Alegria. Desespero. Loucura. Caridade. Desapego...

Saudades. Medo. Amizade. Segurança. Indiferença...


terça-feira, 1 de junho de 2010

Sonho do Futuro

Foi um desses sonhos que misturam real e surreal. Como se não bastasse, foi um daqueles sonhos em que você sonha que está acordando. Logo, demora até você perceber que a realidade não é verdadeira.

Bem, a começar o sonho, acordei no meu quarto. Aparentemente eu estava morando no mesmo apartamento em que eu moro agora, e minha cama estava exatamente no mesmo lugar. Mas não percebi que a casa estava diferente, até sair do quarto.

Logo mais andando pela sala, vi que haviam alguns móveis fora do lugar. Como se tivesse acontecido uma mudança recentemente.

Então, eu vi sentada no sofá uma criança, não devia ter mais de quatro anos. Era uma menina, com cabelo muito loiro e cacheado preso num rabo de cavalo (achei que a testa dela era... grande) assistindo uma TV, que eu estranhei por ser uma dessas antigas, ainda com antenas.

A menina me chamou de "papai". Aí que eu tomei um choque. Então eu percebi que eu parecia estar mais velho, apesar de não ter mudado muita coisa. A menina então disse "daddy" com um D bem pronunciado (provavelmente por causa do programa educativo que estava assistindo).

Uma filha. Meu Bog, eu acordo e de repente tenho uma filha.
Ainda estranhando a situação, fui dar uma volta pelo apartamento. A disposição dos cômodos era exatamente o mesmo do ap que eu moro agora, o que me fazia me sentir um pouco mais à vontade já que eu não teria que explorar muita coisa.

Na cozinha eu vi quem supostamente seria minha esposa. Ela estava lá, atrás de uma bancada (que não existe no ap atual).
Eu vi ela mas... não vi. Quer dizer, só consegui ver até o pescoço dela. É engraçado como às vezes meus sonhos são sacanas comigo e eu simplesmente não posso ver os detalhes interessantes.

Ok, tenho uma esposa e uma filha. Eu não consigo sequer ver o rosto da minha esposa e minha casa tá uma bagunça.
Decidi dar uma volta pelo prédio. Como eu imaginei, era o mesmo prédio em que eu moro desde sempre.
Logo no apartamento do fim do corredor morou uma vez a Cilmara, amiga da minha mãe e madrinha da minha crisma. Porém recentemente ela se mudou para outro ap no mesmo prédio, provisoriamente até ela se mudar pra outra casa.
Mas no sonho, ela saiu pela porta desse mesmo ap. Ela parecia a mesma de sempre; só que mais velha.

- Cilmara, que que você tá fazendo nesse apartamento?
- Ah, eu voltei a morar aqui. Os antigos donos trocaram a minha casa porque não se adaptaram. E parabéns.
- Parabéns porque?
- Pelo seu aniversário de 28 anos.

AAAAAAI JUSÉ.

Vinte e oito anos. Vinte e oito anos, mas eu tenho dezoito.
Dez anos. Eu avancei dez anos no futuro, mas com as mesmas lembranças que eu tinha como um rapaz de 18.
Sabe no filme Click com o Adam Sandler que ele corria umas partes, vivia automaticamente e depois quando passava a corrida ele recuperava a consciência e se sentia culpado? Então, quase isso.
A diferença é que eu não me sentia culpado, mas não sabia de absolutamente nada. Não sabia com o que eu trabalhava nem como teriam ficado meus amigos depois de tanto tempo.

Resolvi ligar pra minha mãe.

- Amor - perguntei pra minha suposta esposa - qual é mesmo o número da minha mãe?
- Sua mãe - pausa. - sua mãe faleceu. Já há alguns anos.

...um choque. Claro.

Bem, então resolvi ligar pra um pessoal. Liguei pra uns amigos que apareceram lá em casa. Parecia que todo mundo acreditava quando eu dizia "tenho a mente de um rapaz de 18 num corpo de 28". Alguns puderam ir até lá em casa (aparentemente era um dia morto; um feriado ou um domingo já que ninguém foi trabalhar). Depois de chegarem, juntou um pessoal na laje do prédio, que a essa altura parecia ter sido transformada numa área de lazer pros condôminos. Eu estava sentado conversando com o pessoal.

Não conseguia olhar minha esposa ainda, e não me lembro de dois dos meus amigos que estava lá. Por dedução seriam o K-2 e o Capelo, já que o terceiro amigo, do qual me lembro perfeitamente e que teve uma participação importante, era o Pato.

O Pato era exatamente igual hoje, só que mais velho e com os cabelos na altura dos ombros. Ele disse no meio da discussão:
- Lembra quando aconteceu uma coisa parecida comigo? Eu meio que assim escapei da realidade. Aí eu liguei pro CAT - Centro de Atendimento ao Tatuado - e eles tipo me ajudaram a cair na real.

Boa idéia Pato! Claro, o CAT poderia me ajudar nessa roubada. Ele já ajudou meu amigo uma vez, por que não poderia me ajudar também?

Peguei um iPhone que estava caído no chão - aparentemente minha filha estava jogando nele - e disquei pro número do CAT que o Pato ditou de cabeça. Aparentemente todo mundo tinha iPhone - no ano de 2020 eles viraram arroz-com-feijão-tecnológico, pensei.

Então liguei e o cara do CAT me atendeu.
- Centro de Atendimento ao Tatuado, boa tarde?
- Alou cara, eu tô com um problema. Eu acordei com um corpo de 28 anos mas a minha memória é de quando eutinha 18.
- Ah, claro. Acontece o tempo todo.
- Como eu faço pra voltar pro meu tempo?
- Não podemos te ajudar irmão. Você não tem tatuagens.
E Desligou.

¬¬'

Bom, nessa hora eu aparentemente não estava mais ali. Eu estava na Visconde (que, pra quem não sabe, é uma rua comercial, a mais perto da minha casa). Dessa vez, eu estava numa perfumaria, indo comprar gel. Eu já estava usando gel e pomada, então sentia meu cabelo pesado e nojento. Eis que aparece o Pato novamente, mas agora na sua versão 18-anos mesmo, e me mostrou uma espécie de óleo novo que tinham lançado, e me aplicou uma quantidade pra que eu experimentasse. Como era de se esperar, não funcionou (meu cabelo só funciona com gel e progressiva, todo o resto ele ignora como um anarquista) e só deixou meu cabelo pior. Não culpo o Pato, ele só queria ajudar.

"Vai já pra casa lavar esse cabelo, tanta tranqueira vai fazer mal"
Alguém disse.
...era minha mãe.

O Pato mais novo, minha mãe aqui, vivinha.

Eu tinha voltado ao meu tempo. Não sei explicar como, mas tinha acabado. No final do sonho, eu percorri alguma distância até a minha casa, antes de minha mãe (do mundo real) vir me acordar.

Maluco.

Sabe, eu acredito realmente que os sonhos são poderosos. E que eu possa ter tido uma visão distorcida do futuro ou ter experimentado a vida de uma versão minha em outra dimensão. Mas eu prefiro acreditar que, pelo menos dessa vez, foi só um sonho estranho com uma linha de tempo bem-construída e que faz algum sentido.

Mesmo porque, apesar de estar bem-casado, com casa própria e aparentemente emprego fixo, não é esse o futuro que eu quero.

Pai aos 24, tá louco? Hehe.