sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

Foca


Alex: O que o filhote de foca disse para a mamãe foca?
Qjn: Sei lá 
Alex: Mother Foca! 
Qjn: Risos

segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

Pratos

Existem os pratos rasos. E existem os pratos fundos.

Eu prefiro os pratos fundos.

Eu realmente prefiro os pratos fundos.

Na verdade eu acho que os pratos rasos não precisavam existir.

Tudo o que você faz com prato raso dá pra fazer com prato fundo. E ainda cabe mais.

Eu não gosto de pratos rasos.

Eu acho que pratos rasos são uma perda de tempo.

Quando eu ter a minha própria casa não haverá nenhum prato raso.

#TeamPratoFundo


Gunbrella

video

segunda-feira, 25 de novembro de 2013

Sombra da Perna

video

Coletânea de sub-pensamentos nº 38



  1. Quem dera todas as agencias de banco estivessem interligadas por teletransporte
  2. Esse cachorro é tão bonitinho que deve ter vínculo com a vida
  3. As pessoas que não fazem sua parte estão mais preocupadas em criticar quem faz alguma coisa do que em começar a fazer alguma coisa (esse surgiu em idéia, demorei um pouco pra traduzir em palavras)
  4. Fita Crap (credo)
  5. Tentarei piscar enquanto durmo
  6. Dormir é uma coisa tão boa que eu faria todo dia. (Que bom que eu faço)
  7. Latim pra mim é grego
  8. Ah, meu santo bode
  9. Massagem diurética
  10. Pelo menos à noite não tem Sol!
  11. Burrada antitetânica
  12. Tem certas coisas que são mais fáceis de fazer pelo jeito mais difícil
  13. O ser humano é uma máquina que transforma comida em bosta (triste verdade)

terça-feira, 5 de novembro de 2013

Falta de Comunicação


"A nossa falta de comunicação chegou num ponto em que eu sou retrucado por falar algum fato sobre mim. Já briguei com alguém no momento em que eu estava defendendo essa pessoa. Pra mim chega! Eu não falo mais nada."

Às vezes meus sonhos me assustam.

(A pior parte é que é verdade)

sexta-feira, 25 de outubro de 2013

quarta-feira, 23 de outubro de 2013

Maçã

Quando eu era criança, eu ganhei uma maçã de borracha.

Sabe, né, criança com dente crescendo tem que morder borracha etc.

Era essa aí






Eu guardo a maçã até hoje (lembrancinha! não me pergunte).

O bacana foi quando eu vi a mesma vendendo uma vez.

Numa pet shop.

É.

...

Rotina de Sono no Horário de Verão


  1. Vai dormir tarde porque mudou o horário e o sono não veio quando devia.
  2. Acorda cansado porque dormiu pouco.
  3. Sem sono na hora de dormir (calor pra caramba)
  4. Vai dormir quando dá sono (tarde)
  5. Acorda cansado porque dormiu pouco
  6. Repita até o organismo se acostumar com o novo horário
  7. Acaba o horário de verão
  8. Xingue Ben Franklin e todos os seus descendentes

quarta-feira, 16 de outubro de 2013

Paint x Photoshop

Uma vez um colega de fórum disse algo assim: "eu separo a minha vida em dois períodos: Antes do Photoshop e Depois do Photoshop".

Eu tava pensando no Photoshop esses dias.
Eu sou péssimo em usá-lo, hahaha. Mas eu mando bem no Paint, até onde dá pra mandar.

"Ah, mas você não quer comparar o PS com o simplório Paint, quer? São completamente diferentes." 

Sim, eu sei, são diferentes pra caramba. Mas fazer o que? Eu manejo o Paint melhor que o PS. E vem cá, ele funciona muito melhor pra fazer tarefas simples, como os velhos bonecos de rabisco (de palito eu não faço) ou simples sobreposições, colagens, etc.

Dá pra fazer tudo isso no Photoshop? Claro que dá! Mas há mesmo necessidade?

Eu me peguei comparando o Photoshop ao Paint. É fiz uma analogia como facas. 

O Photoshop é um canivete suíço: bonito, versátil, pode fazer muita coisa. Custou caro! Você gosta dele, quer usar, quer mostrar que tem. Cria até uma estima por ele. Não sai de casa sem. E vai por aí.

O simples Paint é uma faca de cozinha. Não tão versátil quanto o canivete, mas serve para alguma coisa.

E é aí que eu quero chegar.

Você normalmente não corta rocambole com o canivete suíço.

quinta-feira, 10 de outubro de 2013

Cup Noodles e Headphones

Tomar Cup Noodles de headphone: 

No que você vai dar Aquela Golada Final, o headphone cai pra trás arruinando toda a experiência. 

Aiai.

segunda-feira, 16 de setembro de 2013

Coletânea de sub-pensamentos nº 37


  1. Heaven Dollar (mais um da série: eu acho que daria um bom nome de banda)
  2. Esqueci o guarda-chuva. Mas e se chover? Ah, é só carregar o save.
  3. Era um cachorro com quatro patas e cabeça de cachorro
  4. Minha música favorita da Red Hot Chili Peppers é aquela dos Foo Fighters
  5. Espero que essa tomada goste de rotina
  6. Sindigado dos delecatos
  7. Meu pai não acha o maço de cigarros dele, vou ligar para o maço.
  8. Eu preciso muito mastigar um papel (flashback da infância)
  9. Calça Jynx
  10. É pedir demais que as pessoas saibam de tudo? (É)
  11. Sabonete Antiaderente

quarta-feira, 11 de setembro de 2013

Necessidades

Aquele momento em que eu noto que eu falo "preciso mijar" exatamente do jeito que eu falo "preciso-me já".

Fazer as suas necessidades é um ato de amor próprio.

segunda-feira, 9 de setembro de 2013

Sonho do Simulado

Um sonho pra variar...

Eu estava numa sala de aula. Era uma sala de aula grande, parecida com aquelas em que eu estudei no Ensino Médio, só que maior e melhor iluminada (apesar de mais fria).

Olhando pra lá e pra cá, eu percebo que estão ali vários colegas com quem eu já estudei, do primeiro ao terceiro ano.

Em que ano eu estou? Não consigo saber. Eu estudei com aquela menina no segundo ano, mas com aquela no primeiro. Aquele ali estava no terceiro, não lembro dele no primeiro.
Uma pena que de todos esses colegas, não tenha nenhum com quem eu tenha um pouco mais de intimidade.

No fundo da sala, encontrei uma colega que fez o primeiro ano comigo. Ela era uma das mais inteligentes da sala, etc. Talvez ela pudesse me dar uma luz. Ela repassava uma matéria de história. A inquisição. A inquisição de Kozilek.

"Fulana", comecei, "o que está acontecendo?"
"Você não sabe, Marcelo? Vai ter um simulado daqui a pouco."

Ué, eu não lembro de ter ouvido falar de simulado. Não estou nem um pouco pronto. De repente, os colegas saem todos da sala, eu fico lá sentado por um minuto, meio desorientado.

Quando decido sair da sala, me vejo descendo escadas, escadas e mais escadas. Será que esse colégio tem aulas no subsolo? Não pode ser, isso não deve ser permitido, eu acho.

Descendo, descendo, nem sei pra onde estou descendo, só continuo descendo. Quatro, cinco escadas, não sei. Até que me encontro com um rapaz também descendo as escadas.

"Cara, pra onde você está indo?" pergunto.
"Pro simulado dos terceiros anos"
"Ah. Será que eu posso te seguir? Não sei onde é."
"Claro."

Bom, ao menos sei que estou no terceiro ano, afinal.

Encontrei a sala, o cara descedor de escada tão logo entrou na sala e já encontrou o seu lugar. Estranhei que essa sala era exatamente igual à outra, talvez menos iluminada por ter cortinas que a de cima não tinha, mas rigorosamente igual, como deve ser normal em escolas.

Percebi que o meu lugar deveria ser na frente de outra colega do primeiro ano (que ao contrário da estudante de história, era meio burrinha), mas aparentemente a minha carteira estava faltando. Então peguei qualquer uma e pedi pra menina se espremer um pouco para trás para que eu pudesse instalar a minha carteira no local. Logo depois, a professora mandou sentar e começou a passar uma lista.

Só que essa professora me deu aula na quarta série. O que ela está fazendo aqui, aplicando um simulado do terceiro do ensino médio? Ah, não vou tentar entender.

"Marcelo," a prof começou, pedagogicamente, "poderia resumir rapidamente qual é o foco do seu grupo de trabalho?"
"Mas heim?" eu não lembrava de nenhum trabalho.
"O trabalho em grupo das aulas de informática" explicou, secamente.
"Eu não lembro."

A professora fez cara de indignação. "Como assim, não lembra? Você só tirou noves e dez nessa matéria, e você não lembra o que fez?"
"Não é bem assim, professora," tentei explicar, "é que eu não tenho certeza se o trabalho que eu estou pensando é o desse ano ou o do ano passado."
"Que trabalho você está pensando?"
"Turn On Eventos," eu disse. Tem cara de coisa do Fernando, "é uma empresa de lazer e turismo".
"É essa mesmo, você poderia resumir o foco do grupo?"
"Eu não lembro..."
"Como, não lembra?" e me mostrou a caderneta com as minhas notas anotadas, em matérias que eu nem sabia que tinha participado - "Você só tirou notas boas e não se lembra de nada?", começando a ficar nervosa.
"Acho que depois das férias eu esqueci tudo."

...



quarta-feira, 28 de agosto de 2013

Calças

Você joga suas calças na cadeira como quem não quer nada e logo elas estão lá te encarando maliciosamente.

E você sem calças.


Eu, heim

terça-feira, 20 de agosto de 2013

Coletânea de sub-pensamentos nº 36

  1. Joe the Voyager (da série: daria um bom nome de banda)
  2. Laranjada Gelo e Limão
  3. Nada como começar o dia acordando
  4. Requisito um gole de anonimato
  5. Melhor não deixar a portinhola [do relógio de parede] aberta. Vai que o tempo voa...
  6. Redondo é um quadrado normal.
  7. Água, luz e escroto
  8. Uma longa dose de pirulitos.
  9. Quem ligou o meu computador? Espero que tenha sido eu
  10. To com tanta preguiça que eu devia ser preso
  11. Não é uma merda quando você ta comendo ciência e o pacote estoura?
  12. Zero. Sub-Zero.
    ,

domingo, 18 de agosto de 2013

Perry Hotter

Primeiramente, Perry e não Parry por motivos de: o primeiro é um nome e o segundo é um verbo.
Segundo: Non-Profit Parody

Perry Hotter e a Pefal Filosofedra
Perry Hotter e a Câmetra Secrera
Perry Hotter e o Prisionan de Azkabeiro
Perry Hotter e o Cálofo de Fálice
Perry Hotter e a Ordênix da Fedem
Perry Hotter e o Enígce do Príncima
Perry Hotter e as Relíquortes da Mortícia

Tchau

quarta-feira, 31 de julho de 2013

Meio, começo e fim



Qjn: Vou escrever um post.
Gabi: Postará ainda hoje?
- Sim!
- ACHO BOM.
- Só preciso descobrir como vou começar...
- Uma dica que talvez mude a sua vida: comece pelo começo.
- Sabe que essa dica é a maior furada? Muitas histórias começam pelo meio, aí tem o fim, e no final mostram o começo. Ou começam pelo fim, aí vai pro começo, tem o meio, até que chega no fim novamente. Ou tem ainda histórias que têm o fim e o começo mas o meio foi tomar chá com o prólogo e com o índice. E isso dá outro post...


Tempero Completo

Quando criança, eu via minhas avós e tias cozinhando com uma coisa chamada "tempero completo".

"Sem pimenta".

"Sem pimenta!!"

"Sem pimenta???"

Como assim, sem pimenta?

Se é um tempero COMPLETO, tem que ter TUDO, não é? ,
 A pimenta não devia fazer parte essencial do tempero completo, visto que a pimenta é um tempero e o tempero completo é um tempero que tem tudo?

Então, não devia existir "tempero completo sem pimenta!" É um tempero incompleto!

 "Ah, filho, é que nem todo mundo gosta de pimenta", explicou minha vó.

Mas isso continuou batendo na minha cabeça por mais algum tempo.

E eu ainda não sei o porquê do menino Quejinho ter se preocupado tanto com isso, ele nunca foi muito fã de pimenta, de qualquer maneira.

É.

quarta-feira, 10 de julho de 2013

Sapato Novo

Comprei um sapato novo.

É o melhor sapato do mundo.

Ele é social na frente e tênis atrás.

É tipo o "mullets" do mundo dos calçados.

terça-feira, 9 de julho de 2013

Esponja Samurai

Como vocês devem saber, a esponja de lavar louça tem dois lados, o esponjoso (geralmente amarelo) e o outro que é mais forte (verde):


 Brasil zil zil

 Eu, pessoalmente, tenho o costume de usar o lado amarelo com mais frequência. Porque o lado verde, meu amigo, o lado verde é pra quando a coisa fica séria! 

O lado verde deve ser usado com cautela; a sensação que eu tenho de usar o lado verde é EXATAMENTE essa:



É bom não abusar, né.

sexta-feira, 5 de julho de 2013

H2O

A piada era pra ser a seguinte:

- Sabia que nos EUA, H2O não é água?
- É o que?
- Water. HUEHUEHUE

Mas como só acontece comigo:

- Sabia que nos EUA, H2O não é água?
- Nem no Brasil
- ???
- É refrigerante :)
- ...


sábado, 1 de junho de 2013

Desculpa


Se algum dia você chegar atrasado em algum lugar, use a desculpa: é que meu cachorro/gato/coelho/whatever deitou com as patas pra cima.

É fato conhecido universalmente que essa situação demanda de 20 a 45 minutos de afagos que não podem ser interrompidos nem adiados.

quarta-feira, 15 de maio de 2013

Contagious Smile

Bom, eu estava numa fase de fanboy de YuYu Hakusho e me peguei traduzindo a letra da abertura pro inglês quase ao pé da letra.
O que eu achei legal é que dá certo. Quer dizer, quase tudo dá certo.
Ficou no rascunho do blog por um tempo porque eu tinha umas dúvidas de gramática (que eu não resolvi mas vamo que vamo, dá uma olhadinha aê)




Running throught this big city
So many people pass by,
I'm alone.
The wind blows by the meadow and
Brings a memory of you
I'm alone.

I can't even say which of those places hurts more
But I can decide, I'm a grown up
I'm strong and ready to fight.

I get crazy
And my energy and power will rise up
And suddenly I feel a latent wish
Ofbreaking limits and dreaming on

I get crazy
But a smile makes me understand
Realize why
One forgets pain and finds in love
The right strenght to say

Arigatou gozaimasu.

YuYu Hakusho © Yoshihiro Togashi
YuYu Hakusho anime © Studio Pierrot

terça-feira, 14 de maio de 2013

Caminho de Cegos

Sabe esses emborrachados que colocam nas repartições públicas pra ajudar os cegos a encontrarem os caminhos com suas bengalas? Então...

video

domingo, 12 de maio de 2013

Wish You Were Cleo

 

So, so you think you can Cleo
Heaven from Cleo
Blue skies from Cleo
Can you tell a green Cleo
From a cold steel Cleo?
A smile from a Cleo?
Do you think you can Cleo?

Did they get you to Cleo
Your heroes for Cleos?
Hot ashes for Cleos?
Hot air for a cool Cleo?
Cold comfort for Cleo?
Did you Cleo
A walk on part in the Cleo
For a lead role in a Cleo?

How I wish, how I wish you were Cleo
We're just two lost Cleos
Swimming in a fish Cleo
Year after Cleo
Running over the same old Cleo
What have we Cleo?
The same old Cleos
Wish you were Cleo.

Wish You Were Here lyrics by Roger Waters. 
This is a non-profit parody. 

quinta-feira, 9 de maio de 2013

Eu uso Óculos

Batalha campal é nóis

- Por que você está de óculos de sol?
- O normal quebrou
- E esse aí tem grau?
- ...

sexta-feira, 3 de maio de 2013

Atravessar a Rua


O problema de atravessar uma das ruas mais movimentadas desta cidadela é que simplesmente não é possível.

Digamos que você pense em atravessar a rua. Vêm instantâneamente ao seu encontro:

  1. Um ônibus pra cada ponto cardeal
  2. Um carro em cada ponto colateral
  3. Um boeing por cima
  4. Um metrô por baixo
  5. Elementais do ar desgovernados
  6. Os Quatro Cavaleiros do Apocalipse
  7. Raikou, Entei e Suicune
  8. Todo o time (oficial e reserva) do Flamengo
  9. Uma senhora com um poodle
  10. Um demônio da tasmânia
  11. Um poodle selvagem da tasmânia
  12. Três gerações diferentes de MegaZord
  13. Colossos devoradores de alma (que atraíram os MegaZords)
  14. Companhias de escoteiros
  15. Sua Mãe
Isso se você pensar. Se você tentar atravessar, meua migo, aí é oooooutra coisa.

Baseado em fatos reais. Alguns colossos devoradores de alma foram feridos durante a confecção deste texto.


terça-feira, 26 de março de 2013

Depois de Amanhã

"Depois de amanhã já é quinta-feira!"

Essa é a "frase de auto-ajuda" (se é que eu posso chamar assim) que mais tem funcionado comigo, ultimamente.

Parece, de verdade, que faz a semana ficar mais curta.

Pena que só funciona às terças.

sábado, 16 de março de 2013

Frango na Jangada

Música e letra por Cyril Tawney
Versão Brasileira: Marcelo Leria
http://chickenonaraft.com/
http://www.radio.uol.com.br/#/letras-e-musicas/unknown/chicken-on-a-raft/1991624


FRANGO NA JANGADA


Capitão tá na cabine tomando um gim (Ayoh, frango na jangada)
Eu não sei por quê, mas chamou por mim  (Ayoh, frango na jangada)
O Imediato tá rindo feito um louco (Ayoh, frango na jangada)
Me mandando fazer tudo e mais um pouco (Ayoh, frango na jangada)

Refrão:
Frango na jangada de manhã logo cedo, só de ver morro de medo
Marujos sentados sem fazer nada, 'penas espiando o frango na jangada.
Ayoh, frango na jangada, hey oh, frango na jangada,
Ayoh, frango na jangada, hey oh, frango na jangada.

Me mandaram trabalhar de dia e de tarde (Ayoh, frango na jangada)
Remando o navio nesse sol que arde (Ayoh, frango na jangada)
Umas gaivotas passaram voando (Ayoh, frango na jangada)
Eu queria mesmo era estar roncando (Ayoh, frango na jangada)

Conheci uma garota na cidade do cais (Ayoh, frango na jangada)
Me fazia de bobo e tudo mais (Ayoh, frango na jangada)
Seu coração era um chuveiro quebrado (Ayoh, frango na jangada))
Num minuto quente, n'outro gelado (Ayoh, frango na jangada)

Nos despedimos de madrugada (Ayoh, frango na jangada)
Ela nada fez, só ficou calada (Ayoh, frango na jangada)
Sou eu o amor da sua vida? (Ayoh, frango na jangada)
Ou só estou no lugar d'uma paixão perdida? (Ayoh, frango na jangada)

Uma moça amazona de Malibu (Ayoh, frango na jangada)
Que só tinha filhos em Lua Azul (Ayoh, frango na jangada)
A irmã dela morava em Singapura (Ayoh, frango na jangada)
Ela diz que não vai, é mentira pura! (Ayoh, frango na jangada)

segunda-feira, 4 de março de 2013

Paciência


Às vezes eu me pego falando sozinho coisas que se não fosse eu falando, eu pensaria que a pessoa falando manja do assunto.

Aí eu penso, "nossa, se rolar esse assunto na conversa e eu falar isso que eu tô falando, vai parecer que eu manjo do assunto. Ou melhor ainda: vai que de repente eu manjo, mesmo!".

Só que quando o assunto surge no rolê (o que é raro porque eu só falo sozinho assuntos não muito conversados, como a ciência do jogo de Paciência) eu acabo esquecendo tudo que eu falei sozinho.

Por que faz isso, cérebro?

sábado, 2 de março de 2013

Observação


O campo "observação" só deve ser utilizado se houver alguma observação, que deve ser escrita no campo "observação". Se não houver nenhuma observação a ser incluída no campo "observação", então o campo "observação" deve estar sem nenhuma observação, você está me entendendo?

Coletânea de sub-pensamentos nº 35

 Como vocês devem ter percebido, eu decidi dividir a coletânea 34 (que era composta por 27 subpensamentos) em duas metades pra ficar menos cansativo de ler. 
Esses são os 12 subpensamentos de cima da lista original (exceto os dois últimos que são inéditos).

  1. Hoje é 16/7 ou 17/6? Ah, é dia 20
  2. Melhor deixar uma foto minha no meu quarto para me identificar caso eu vire um cachorro.
  3. Primeira vez que eu tiro uma foto com lampejo.
  4. O tempo passa mais devagar com a porta aberta...
  5. Chocolate gelado de frango
  6. Vou dormir tanto hoje que vou acordar só amanhã
  7. Não tem Rei Leão nessa vida.
  8. Eu não conseguiria fazer um serviço intelectual sem café. Ah, mas eu faço
  9. Meu pai é cinco minutos mais alto que eu
  10. Agrião, sabão, desde então
  11. Como assim, já são quatro horas? Meia hora atrás eram três e meia!
  12. Geralmente eu como nessa mesa, mas, na maioria das vezes, eu como naquela.
  13. Como é bom ser um cachorro. 
  14. Monetização da Moeda

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

Pão Sírio

Então, teve essa vez que eu fui no Habib's com o Hika e o Felipão pra fazer um lanchinho antes de voltar pra casa.

Ok ok ok pedimos lá nossos lanches, tantas esfihas tantos refris etc etc etc, eu estava afinzão de um pão sírio (pra quem não sabe, é tipo um pão fininho com formato de panqueca. E pra quem não sabe o que é panqueca, é tipo um pão sírio feito de massa de ovo e farinha).

Pedimos pra viagem e comemos ali na rua mesmo porque né, todo mundo faz isso pra não pagar a taxa de serviço, mas enfim, já era tarde até que arde e eu tinha que voltar pra casa sozinho, então me despedi dos gajos e fui até o ponto de ônibus.

O ônibus chegou e então eu verifiquei no meu bolso que eu só tinha uma nota de dois e uma de cinquenta.
Com o ônibus custando na época R$ 2,75, eu ficaria com vergonha de passar uma nota de cinquenta. É uma pena que eu não tinha setenta e cinco centavinhos, então eu fui a pé mesmo (eu estava a apenas meia hora a pé de casa. Eu preferiria pegar o ônibus pela questão do horário.)

No meio do caminho (só subida...) eu penso comigo mesmo "Puxa. Se eu não tivesse pedido o pão sírio eu tinha trocado pro ônibus, mas que droga."

Então eu reconstrui mentalmente a trajetória do lanche.

Meu pão sírio não veio.

É.

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013

Coletânea de sub-pensamentos nº 34



Eu achei que estava tendo poucos subpensamentos para fazer uma coletânea. Então fui acumulando pra SEILÁ, ver isso depooois. Eis que eu não faço coletânea desde JULHO - o que ainda não entrou na minha cabeça. 
Eu tinha feito uma lista só, enorme, mas como sugerido pelo Pato, dividi em duas. Essas aqui são as originalmente 15 últimas da lista original, as 12 de cima agora são a coletânea nº 35.
  1.  Eu não lembro o motivo, mas com certeza não era bom.
  2. Seria muito mais fácil transitar se as mesas fossem imateriais...
  3. Já não bastasse uma coisa, ainda tem outra coisa!
  4. Putz, não carreguei o celular! Ah, não tem problema, meu celular é ninja.
  5. Essa coisa nunca está onde tem que estar, sempre está em outro lugar
  6. Na sua idade, eu já tinha pego muito Pokémon.
  7. Tem dias em que 15 dias parece uma hora
  8. Pega só esse Rasengan de chocolate
  9. Eu não sei se funciona. Mas pra mim, funciona. Então virtualmente funciona.
  10. Cada coisa que me acontece que eu não sei mais se agradeço ou xingo.
  11. Alta tecnologia de torta.
  12. Menos alternativas, mais chances de acerto (isso faz algum sentido?)
  13. Momento de relaxação de concentramento
  14. 50 tons de vorme escoriáceo
  15. Imagina só que louco, saber usar a Força e nunca mais perder um jogo de jenga

terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

¿Pasta de Limpieza?

Eu no escritório. Aparece um vendedor ambulante de pasta de limpeza com sotaque mexicano.

- ¿Quieres comprar la pasta de limpieza?
- Não senhor, obrigado.
- Muy buena, limpa todo el encardido de la mesa. (Nesse momento ele começou a passar um pano com a pasta no balcão)
- Obrigado. Eu não preciso
- Quiem precisa no es usted, es la mesa.
- NÃO ESTOU INTERESSADO. 


¬¬ 

O balcão ainda tem um ponto mais limpo do que o resto...

segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

Harmonia

Quem toma sorvete comigo já sabe que eu ouvi dizer (ou talvez tenha lido) em algum lugar que os chineses acreditam que, ao contrário do costume ocidental de tomar sorvete no calor, você deve tomar sorvete no frio para "harmonizar" o seu corpo com o ambiente. Paralelamente, tomar chás quentes no calor e tal.

Eu tava pensando sobre isso aí eu lembrei que os chineses inventaram o sorvete misturando coisas na neve. Ou seja, pra tomar sorvete TINHA QUE ESTAR FRIO. Então essa tal de harmonia é tipo uma jogada de marketing pra vender sorvete no frio ou algo assim???

Bom, de qualquer jeito, sorvete é bom em qualquer tempo. E, de qualquer jeito, a temperatura do seu corpo vai ficar a mesma de qualquer jeito à menos que você tenha febre ou hipotermia.

Mas no fim das contas, acabei apostando que não existe a tal da crença da harmonia em primeiro lugar e eu devo ter ouvido/lido besteira, pra variar;

Será que pizza de dois dias ainda dá pra comer? É só o que tem...

domingo, 20 de janeiro de 2013

ORLY

(Tenho sonhado bastante, ultimamente. Legal isso.)

A gente tava sentado no chão, jogando, com uma barra de chocolate ORLY do lado.
Veio um maluco e perguntou: 

- Esse documento é seu?
- Cara, isso não é um documento, é um chocolate
- Então não tem dono!


Aí ele pegou o chocolate e saiu correndo.

sábado, 19 de janeiro de 2013

Sopa de Tomate

Acabei de acordar de uma soneca em que o meu amigo Ata, cosplayer de L, e caracterizado, estava escondido debaixo da minha mesa do computador e começou a me contar uma história até o alarme do celular me acordar, interrompendo.

A história dizia algo assim:
"Era uma indústria petroquímica, ou algo assim. Eles produziam um líquido secreto pra uma empresa espacial, esse líquido tinha o nome-código Sopa de Tomate. Era experimental, e eles precisavam de duas criaturas, uma de cada, para..."

*Bip bip bip.*

Sinistro, mano. '-' 

quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

Sale


Cortando caminho pela praça da igreja. Um jovem pai com o filho recém-alfabetizado de cavalinho, um balão na mão, lendo as fachadas das lojas em voz alta.

- Co...pi...a...dora.
- Isso, copiadora.
- Sa...le.
- Não não, filhinho, ali está escrito em inglês. É sale.
- Se...io.
- ...

sexta-feira, 11 de janeiro de 2013

Motoboy


Certa vez eu contei sobre um certo motoboy que, assim como muita gente, acreditava, por causa da minha aparência, que eu era músico.

Esse motoboy reclamava às vezes que a vida dele era meio corrida, o trabalho perigoso, ele fazia faculdade à noite e estava noivo, prestes a casar.

Não me aprofundei muito mais sobre a vida dele porque eu sou meio desligado dos problemas dos outros (a menos que me paguem por isso, mas aí é outra história) mas o que eu sei é que apesar de tudo, ele era muito gente boa. Simpático, vinha trazer a papelada sempre sorrindo, cumprimentava todo mundo. Uma vez me pediu um real emprestado pra comprar um sorvete, e me pagou no outro dia mesmo eu dizendo que era "de presente".

Bom, de qualquer jeito, a vida continua e as marés passam etc, ele se demitiu daquele escritório por motivos pessoais. Não nos avisou nem nada, acredito que ele não tenha julgado necessário.

A princípio, não reparei muito no motoboy que vinha no lugar dele, pois às vezes a empresa contratava mais motoboys em dias mais agitados, e ele não vinha pro nosso escritório.


O seu substituto definitivo é exatamente o oposto... reclamão, não sorri nem cumprimenta. Vive reclamando do serviço.

Outro dia, ainda nessa semana, ele apareceu lá no escritório.
Aquele sorriso aberto, cumprimentando todo mundo.

Eu fiquei meio sem graça de não lembrar o nome dele (ainda não lembro).
Ele trocou uma ideia com a minha mãe, que parecia se lembrar mais dele do que eu, e comprou o bom e velho sorvetinho de um real que ele tanto gostava.

Não ficou mais de dez minutos, foi embora, o capacete em mãos, aparentemente agora com um novo serviço.

Eu já disse que ainda não lembro o nome dele. Eduardo, Leonardo? Pode ser qualquer coisa.
O fato é que, depois de tanto tempo sem ver um simples colega que nada mais fazia do que trazer papéis e ser simpático, eu senti como se estivesse encontrando um velho amigo.

quinta-feira, 10 de janeiro de 2013

Pedra



- Esse ponto aqui, embaixo do meu olho direito.
- Que que tem?
- Dói. Há bastante tempo.
- Por que?
- Um dia, quando eu era criança, eu tava deitado brincando com uma pedra. Aí pedra caiu.
- ...por que você tava brincando com uma pedra?
- Minha imaginação era muito fértil


Marymon

Eu tinha um Digimon
Que se chamava Agumon
Um dia fiquei neuvosor
E evolui o Agumon

Greymon. Greymon
Tinha cara de babaca
Greymon, Greymon
Solta fogo quando ataca

Eu tinha um Digimon
Que se chamava Greymon
Um dia fiquei neuvosor
E evolui Greymon

MetalGreymon. MetalGreymon
Tinha cara de careta
MetalGreymon. MetalGreymon
Soltava míssil pela teta

Eu tinha um Digimon
Que se chamava MetalGreymon
Um dia fiquei neuvosor
E evolui MetalGreymon


WarGreymon, WarGreymon
Fundia com MetalGaruru
WarGreymon, WarGreymon
Omnimon é louco afuuuu

(Terminei assim pra evitar palavrão. Julguem.)

terça-feira, 1 de janeiro de 2013

Roupa de Ano Novo


Só resolvi escrever um post agora depois de raciocinar um pouco sobre um compartilhamento no Facebook que dizia: Usar roupa branca não vai mudar nada em seu 2013.

Olha, eu não sou supersticioso e realmente acho que não vai mudar nada. Mas existem duas coisas conhecidas pelos nomes de: Senso Comum e Chatice Humana.

 Pois é, você pode usar a cor de camiseta que você quiser no ano-novo, é verdade que não vai mudar nada. Mas o pessoal que estiver na festa MUITO PROVAVELMENTE vai te aporrinhar.

Então, pra que perder tempo escutando comentários idiotas e dando explicações idiotas sobre como é tudo uma superstição idiota?

Bota logo o branco e pronto. :)

Feliz ano novo, everyone.