terça-feira, 11 de maio de 2010

Um conto de Salgados

Era uma vez um senhor já na casa dos setenta anos. (Por motivos de privacidade vamos chamá-lo de "vô do Quejinho"). Esse senhor vô do Quejinho tinha um neto, o Neto do vô do Quejinho.

O vô do quejinho e seu neto trabalhavam ao lado de uma lanchonete.

Todo dia no fim da tarde, o vô do Quejinho mandava o neto do vô do Quejinho para a lanchonete do lado comprar salgados.

O neto do vô do Quejinho ia à lanchonete e comprava coxinhas para seu avô e bolinhas de queijo para si (é contado que o neto do vô do quejinho não comia nenhum tipo de carne mas se empanturrava de produtos lácteos).

E então o vô do Quejinho e o neto do vô do Quejinho comiam seus salgado como lanche no fim da tarde. Era quase uma rotina, bem estabelecida e constante.

Porém, certo dia, o vô do Quejinho deparou-se com uma situação inesperada:
a lanchonete estava sem coxinhas.

Então foi sugerido ao vô do Quejinho que comprasse outro salgado em vez das coxinhas.
Por exemplo, risolis.

O vô do Quejinho aceitou a sugestão e mandou o neto do vô do Quejinho pedir risolis em vez de coxinhas. Assim foi feito.

E depois desse dia, o vô do Quejinho nunca mais pediu uma coxinha novamente.

Baseado em fatos reais ok, reflita.

Esse texto tem uma moral mas eu não sei explicar bem o que seja.

PS: só pra eu me lembrar que vou começar a postar vídeos em massa. Tava revendo no meu celular e fiquei com vontade.
PS2: cortei o cabelo e não gostei.

Um comentário:

Biel disse...

Hmmm... A moral seria não se prender demais a rotina, porque... porque senão você acaba só comendo coxinha.(pior rima do mundo detected)

Hauehuaheau

(postcode: Wheen = Quaando?)